Versiculo Biblico

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Ala feminina da política capixaba ainda briga por espaços de poder


Esta semana a deputada federal pelo Espírito Santo Rose de Freitas (PMDB) fez história ao ser eleita vice-presidente da Câmara dos Deputados, como a primeira mulher na Mesa Diretora da Casa. Mais do que ter uma representante do Estado em uma posição política bastante estratégica, a ascensão da parlamentar revela que as mulheres ainda carecem de espaço político.
Quase metade da bancada federal é formada por mulheres. Além de Rose de Freitas, foram eleitas Sueli Vidigal (PDT), Iriny Lopes (PT) e Lauriete (PSC). No Senado, a suplente de Renato Casagrande (PSB), Ana Rita Esgario (PT), reforçará a bancada do batom. Ao analisarmos a situação delas, porém, percebemos que a situação não é tão confortável.
Iriny Lopes deu um salto positivo. Deixou o terceiro mandato na Casa para assumir a Secretaria Especial de Política para Mulheres. No governo da primeira presidente, o cargo ganha uma importância impar. Já a deputada Sueli Vidigal (PDT) corre o risco de não terminar o mandato. Alvo de investigação da Política Federal e do Ministério Público Eleitoral (MPE), a deputada é acusada de cometer uma série de crimes eleitorais, ao lado do marido, o prefeito da Serra, Sérgio Vidigal (PDT).
A deputada Lauriete é novata na Câmara. Aliás, é novata na política, com uma forte presença no meio góspel Lauriete é cantora e mulher do ex-deputado estadual Reginaldo Almeida (PSC). Começou na carreira com a saída do marido. Sua chegada à Câmara, por enquanto, foi bastante silenciosa. Em uma Casa de 513 deputados e membro de uma bancada de apenas dez parlamentares, dificilmente Lauriete terá espaço para se destacar no plenário.
No Senado, Ana Rita Esgario (PT) chegou querendo imprimir um mandato voltado para a valorização da mulher e dos movimentos sociais. Mas Ana Rita chega como suplente, o que não fortalece seu desempenho na Casa. Aliás, o Estado ainda não teve o privilégio de eleger uma senadora. Antes de Ana Rita, apenas a deputada Luzia Toledo (PMDB) havia conseguido chegar ao Senado, mas também como suplente, na época, do ex-governador José Ignácio Ferreira.
No Estado, a situação das mulheres também não é confortável na Assembleia Legislativa. A que conseguiu o melhor desempenho foi Luzia Toledo, que foi eleita segunda vice-presidente da Casa. As outras duas integrantes da bancada do batom Lucia Dornelas (PT) e Solange Lube (PMDB) não emplacaram cargos nem em comissões permanentes, por enquanto.

Extraído de: Século Diário  -


2 comentários:

  1. A paz do Senhor Jesus, Deputada Federal , gostaria de saber qual é a sua posição ref. a Aposentadoria para Deficientes . Por favor não deixe de me responder . http://muitoespeciais.blogspot.com/
    e-mail : maria.jose.roos@hotmail.com

    ResponderExcluir